sábado, 14 de julho de 2018

IPIRÁ: UM PONTO FORA DA CURVA

 O município de Ipirá foi agraciado com obras federais significativas no aspecto social durante os governos Lula / Dilma, que podem ser catalogadas pelo estabelecimento de um inacabado e interminável esgotamento sanitário (obra de 12 anos), casas populares, creches e UPA, que amparadas pelos benefícios da aposentadoria, ganharam um significado claro e  representam no seu conjunto, uma estratégia de contenção populacional na localidade para impedir percentuais de migrações consideráveis. Ipirá segura uma população em torno dos sessenta mil habitantes.

Do governo estadual petista Wagner / Rui não podemos dizer muita coisa, as obras desses governos para Ipirá podem ser contadas, com folga, nos dedos de uma mão. Quase nada. De grande importância e relevância para o município de Ipirá, nada.

Se fizeram muito por Salvador isso é fato comprovado e louvável, o mesmo não podemos dizer em relação ao município de Ipirá. O governo petista nestes doze anos está devendo muito ao município de Ipirá no aspecto de obras estruturantes, necessárias e imprescindíveis ao desenvolvimento e progresso de Ipirá.

Estamos sendo vistos e encarados dentro de uma lógica perversa e minguada, que estabelece círculos estreitos para um município com as nossas características, dificuldades e limitações. Ipirá não tem condições de andar com suas próprias pernas, essa é uma triste realidade. O Estado da Bahia não têm recursos suficientes para atender à todos os municípios, essa é outra realidade. A prioridade das obras do governo do Estado não aponta nada para Ipirá, uma dura  realidade. O governo do Estado não tem o município de Ipirá na sua pauta, na sua agenda e na sua ação. Ipirá está órfã do governo estadual.

Podem até dizer que o Estado da Bahia está apertado, sem folga financeira, vivendo no cheque especial e quebrado. Ipirá também está desse jeito, com a cuia na mão. Mesmo assim, não temos sobre nós o olhar generoso e acolhedor que existe sobre a capital. Salvador tem um governador do Estado e um prefeito municipal trabalhando pela cidade. Ipirá navega em mares turbulentos e imprevisíveis.

São dois bancos fechados pela bandidagem. A população está sofrendo e sacrificando-se em filas para aventurar sacar dinheiro. Um lamentável retrocesso. O Poder Público Municipal vivendo no mundo da lua e no país das maravilhas não toma nenhuma providência, nem ao menos, assume seu papel de autoridade local na cobrança às autoridades  estaduais e federais. Estamos no caminho da roça.

Tem aspectos sociais de suma importância para o município de Ipirá que estão sendo negligenciados pelo poder municipal; têm demandas concretas e necessárias para o município que o poder municipal está virando as costas; tem questões de grande relevância que estão sendo negadas pelo poder municipal.

Os poderes institucionais constituídos estão brincando de esconde-esconde com Ipirá, nunca encontram o nosso município. O prefeito Marcelo Brandão também está de brincadeira; fez uma grande Exposição, porque a sua realização foi feita no local certo e conveniente; fez um São João meia-boca, porque insistiu em realizá-lo num local inconveniente para festa de multidão, resultando numa praça favelizada e mulheres e crianças urinando na frente das casas durante a fogueira, um atraso e desconforto; roçou, destocou e desmatou o Puxa para implantar uma prioridade do município.

Brincadeiras! Imagine quando o povo de Ipirá resolver trocar de brincadeira, deixando o esconde-esconde pela barroca. A barroca era uma brincadeira muito atrativa em Ipirá. A barroca era a saída da bica junto ao passeio da casa e o menino tinha que encaçapar uma castanha lá dentro à certa distância. Vamos pensar que a urna é uma barroca e que o voto é uma castanha e o eleitor tem que acertar o voto na barroca numa distância de cinco metros. Seria muita castanha perdida nas eleições, mas tudo isso é brincadeira de barroca.


quarta-feira, 11 de julho de 2018

É DE ROSCA (44)


É DE ROSCA. (44)
Estilo: ficção
Modelo: mexicano
Natureza: novelinha
Fase: Querendo imitar Malhação, que não acaba nunca, sempre criando uma fase nova, agora é a do prefeito Marcelão.
Capítulo 44 (mês de janeiro 2018)(atraso de 6 meses) (um por mês)

O prefeito Marcelão estava entusiasmado com a exposição, até que enfim, tinha acertado em cheio numa festa. Olhava emocionado e admirava aquela grande obra da genética, um nelore branco com 2m de altura, 3m de largura e 4m de comprimento.

Nas proximidades estava um grupo de macacos, que começaram a fazer fuzarca e firula. Falando alto: “Sai de baixo prefeito Marcelão, que esse boi não é prá teu bico!” Quá, quá, quá, a risadaria corria solta. “Tu não ta vendo que aqui em Ipirá não tem homem prá comprar esse boi!” Quá, quá. “Ora, prefeito Marcelão! Tu não ta vendo que teu bolso não compra nem o redém desse boi!” Quá, quá, quá, a risadaria aumentou.

O prefeito Marcelão manteve a seriedade, olhou para o dono do boi e perguntou para que todos ouvissem e imediatamente o silêncio foi absoluto:
- Qual é o preço desse boi? – indagou e ouviu um sonoro: “UM Milhão de Reais e não tiro nem um centavo de pechincha”. O silêncio tomou conta da área e o prefeito respondeu em cima da bucha, com uma voz firme e grossa – o boi é meu por DOIS milhões de reais e vou inaugurar o Matadouro de Ipirá abatendo esse boi.

O Matadouro de Ipirá quando soube ficou emocionado: “obrigado prefeito Marcelão, até que enfim apareceu um prefeito para dar o verdadeiro valor que eu tenho e mereço. O ex-prefeito Dió queria inaugurar o matadouro com o abate de bengo morto com espingarda de socar; o ex-prefeito J (Jotinha) queria inaugurar o matadouro matando calango abatido com badogue. Vê se pode? O senhor, prefeito Marcelão, é um administrador pra frente, inaugurar o matadouro com um boi de dois milhões é sinal de desenvolvimento e valorização. Estou emocionado, estou sem palavras, obrigado prefeito Marcelão, agora eu aceito ser inaugurado!”

Pense numa notícia que correu o mundo! Viralizou em todas as línguas. Prefeito vai inaugurar matadouro abatendo um boi de dois milhões de reais. Nos Estados Unidos, o presidente Trampo mandou um e-mail: “Estarei em Ipirá para participar desse churrasco”. A rainha da Inglaterra confirmou presença. O presidente Macron da França, Putin da Rússia e o presidente da Fifa, nem esperaram terminar a final da Copa entraram num avião supersônico e embarcaram para Ipirá.

O prefeito Marcelão ficou pensando: “na campanha, a macacada disse que ia fazer um aeroporto em Ipirá, uma coisa pequena, para teco-teco; não sei onde era que eu estava que não lancei uma proposta de um Aeroporto Internacional, não é nada não, agora vou ter que lançar um decreto fechando o espaço aéreo de Ipirá para urubu, pardal e bem-te-vi por uma semana.”

A esquadrilha da fumaça e aviões supersônicos dominaram o espaço aéreo ipiraense e de pára-quedas pulavam as autoridades e seus seguranças, sendo que, o Céu de Ipirá ficou intinguijado de pára-quedistas praticando o esporte. As autoridades internacionais e nacionais foram recebidas na residência do prefeito Marcelão. Só adentraria à residência, para encher a barriga no churrasco do boi de dois milhões quem tivesse convite e pulseira personalizada.

Surgiu o primeiro problema interno; a fila na porta da residência já estava em Baixa Grande e os jacus começaram a reclamar, que tinha muito macaco na fila, que eles fossem para o fim da fila, que agora era a hora dos jacus comerem. 

Veio um assessor do prefeito Marcelão para resolver e descomplicar a situação: “Oh, gente, presta atenção! Quem está aqui na fila só vai comer tripa, agora, eu garanto que não vai sair ninguém com fome.” Saltou um sujeito marrudo e foi dizendo: “Quer dizer, eu votei no prefeito Marcelão e não vou comê um taco de carne? Quem tem que comê tripa é essa macacada que tomou uma lapiada de mil e seiscentos e lascou-se no lombo; quer dizer, pelo que eu entendi meu voto foi perdido?” O assessor do prefeito voltou a explicar: “Depois que deposita o voto na urna já era! Agora, eu quero perguntar a vocês o seguinte: vocês preferem comê tripa de um boi de dois milhões ou filé de um boi de 140 reais a arroba?”

Surgiu o primeiro grande problema internacional: Kim número Um da Coréia do Norte não foi convidado para o churrasco e mandou o recado: “Um boi de dois milhões de reais não pode ser abatido para churrasco, isso é um atentado terrorista, se isso acontecer vou lançar uma bomba atômica no Matadouro de Ipirá” e colocou três mísseis no Monte Alto, apontados para o matadouro.

O presidente americano Trampo respondeu de imediato: “se você jogar uma bomba atômica no Matadouro de Ipirá eu acabo com seu país, vou fazer disso aí o caldeirão do inferno” e colocou quatro bases antimísseis no Estádio José Luís dos Santos, aproveitando a altura de quatro postes que estão fincados lá no campo.

A ONU foi obrigada a intervir para evitar um conflito nuclear mandando uma comissão fiscalizadora para verificar ‘in loco’ se o Matadouro de Ipirá tem condições de abater um boi de dois milhões de reais. O parecer foi terrível: “Isso aqui, não tem condições de abater nem macaco-guigó, muito menos, um jacu depenado, agora, imagine, um boi de dois milhões de reais”

A ONU apresentou um relatório do que era necessário: uma arma de choque elétrico de alta precisão, fabricada na França; um centro cirúrgico de lipoaspiração para tirar toda a gordura do boi; uma máquina de corte à laser para que a carne saia milimetricamente disposta e embalada; tem que ter um tanque de água mineral de Iceberg da Groenlândia; uma câmera fria especial que suporte o gelo da Antártida; uma orquestra sinfônica para tocar música clássica para o boi não ficar estressado e mais coisas.

O prefeito Marcelão levou a coisa no capricho, não deixou escapar um item, adquiriu o que foi relacionado e em tempo recorde estava tudo pronto, montado e funcionando, deu a tão esperada ordem: “pode levar o boi prá o tronco”. Ouviu-se: “ ALTO LÁ, um momento! Tá faltando o pagamento dos dois milhões do boi” era a voz do dono do boi.

O prefeito Marcelão meteu a mão no bolso e foi dizendo: “se você pensa que eu vou ouvir desaforo de quem quer que seja, você está muito enganado, fique com seu boi, porque com dois milhões de reais eu reformo a Casa de Estudante em Salvador, o Mercado de Arte e ainda sobra dinheiro para eu fazer a festa de Sete de Setembro; o povo de Ipirá não vai morrer por comer carne clandestina.”           
   
Suspense: Veja que situação: A novelinha tá de correria, quer chegar à janeiro 19 sem nenhum capítulo em atraso. Um matadouro querendo ser obra e um prefeito querendo não ter problema! Onde vai parar uma desgraça dessa? O que é que eu tenho a ver com o desentendimento do prefeito Marcelão com o matadouro? A novelinha chegou ao mês janeiro de 2018 agora e o prefeito Marcelão não pode fazer Festa para a COPA 2018, e até agora nada.

O término dessa novelinha acontecerá no dia que acontecer a inauguração desse Matadouro de Ipirá. Inaugurou! Acabou, imediatamente! Agora, o artista é o prefeito Marcelão, que foi grande divulgador da novelinha É de ROSCA pela FM.

Observação: essa novelinha é apenas uma brincadeira literária, que envolve o administrador e o matadouro e, sendo assim, qualquer semelhança é mera coincidência. Eles brincam com o povo e o povo brinca com eles

sábado, 7 de julho de 2018

É DE ROSCA (43)


É DE ROSCA. (43)
Estilo: ficção
Modelo: mexicano
Natureza: novelinha
Fase: Querendo imitar Malhação, que não acaba nunca, sempre criando uma fase nova, agora é a do prefeito Marcelão.
Capítulo 43 (mês de dezembro 2017)(atraso de 7 meses) (um por mês)

Brasil eliminado da Copa. Na Zona Mista duas entrevistas chamaram atenção da NOVELINHA, pela emoção e impacto que causaram, uma delas foi a do prefeito Marcelão, que estamos reproduzindo nos seus aspectos mais importantes:

“Estou muito triste, uma tristeza muito profunda, que sangra e dói no meu íntimo. Estou muito sentido, neste momento, com a desclassificação do Brasil nesta derrota para a Bélgica. Era do meu propósito fazer a maior festa no território brasileiro pela vitória sobre os belgas; seriam abatidos oitocentos bois para churrasco, suspendam esse abate, não deu... Se o Brasil levantasse o hexa seriam abatidos dois mil bois, com duas mil churrasqueiras, em toda a cidade, tudo de graça, não deu... Minha administração ia inaugurar o Matadouro de Ipirá nesta copa; são 26 anos sem serventia, foram seis mandatos e sete prefeitos que não tiveram a coragem e a sensatez de inaugurar esse matadouro, (respirou fundo) meu mandato é diferente e ia inaugurar esse Matadouro de Ipirá, justamente, no dia que o Brasil conquistasse o hexa, não deu... O povo de minha terra sabe do meu esforço para inaugurar esse matadouro de Ipirá, mas a seleção da Bélgica não deixou...”

A outra grande entrevista foi a do Matadouro de Ipirá, que soltou a língua:
“Eu não vou dizer que estou alegre, mas que estou bastante aliviado, lá isto eu estou, só de imaginar: como é que seriam abatidos mais de duas mil cabeças de boi em Ipirá? Estamos livres desse sacrifício e dessa matança, que o prefeito Marcelão queria fazer... Eu fiquei admirado quando terminou o jogo da eliminação do Brasil, que o pessoal da Globo ficou na maior saia-justa procurando uma desculpa e buscando explicar e justificar a saída do Brasil... Simplesmente, Galvão, Casagrande e Ronaldo Fenômeno estavam perdidos, não sabiam o que dizer, ou ao menos, por onde começar; ficou uma coisa insossa, enjoativa, sem pé e sem cabeça, sem lógica, sem franqueza e sem convencimento; muita pantomima prescindindo da veracidade da palavra. Diziam que o futebol é um esporte, se não resolve, também não prejudica; entra uma repórter global e afirma que o futebol é cruel...”     

E o Matadouro de Ipirá continuou: “90% da imprensa brasileira vive navegando em sofismas na questão do futebol, em época de copa... “o melhor futebol do mundo” “a amarelinha...” “o maior jogador do mundo” etc e tal. Sutilmente vão construindo essa nuvem de argumentação aparentemente válida, que na realidade não explica e não conclui coisa alguma. Quando tomam a porrada, ficam procurando uma resposta para amparar o argumento criado lá atrás, não encontrando, fica clara a má-fé de quem apresentou aquilo que queria que fosse verdadeiro. Prefiro o argumento simples e popular de Mané Garrincha, em 1962, quando viu aquela seleção toda de branco e indagou: “O que foi que o São Cristóvão (time carioca) veio fazer nesse torneio?” Era a Inglaterra, Garrincha chamou para bailar e os ingleses foram na dança. Havia futebol para isso. No futebol tem muito interesse e manipulação.”

E o Matadouro de Ipirá completou: “No mapa do futebol do planeta Terra não tem novidades. A Ásia, Oceania e Oriente Médio é uma série D; A África nunca disse o que foi fazer numa copa, série C; América do Norte e Central é uma série D; A América do Sul uma série B, com exceção para Uruguai (mais de 70 anos sem conquistar a copa), Argentina (mais de 30 anos sem a taça) e Brasil (em 1922, serão 20 anos sem a taça). Quem tem a hegemonia do futebol mundial? A Europa (são 16 anos com a taça).”

E o Matadouro de Ipirá encerrou: “Até hoje, ninguém conseguiu três copas seguidas, no máximo duas. A tendência é aparecer, sempre, em algum momento, um país europeu diferente pegando a taça, até que o Brasil consiga uma equipe com capacidade real e não fictícia e fabricada para ser campeão. O Brasil será hexa? Será. Poderá ser dentro de um espaço de 20 ou 30, ou 40 anos. A seleção brasileira jogou um grande segundo tempo; é tão boa quanto a Bélgica, Alemanha, Espanha, Inglaterra, ou França. Ser o melhor futebol do mundo não é uma necessidade vital desse País; ter o maior jogador de bola do mundo não tem um significado imprescindível para essa nação. É duro ficar nesse discurso batido de que o Brasil é a maior seleção do mundo e que todos tremem aos seus pés; essa batida tem o grande interesse e a vontade de quem manipula, controla e tem lucro com o futebol.”    

Suspense: Veja que situação: A novelinha tá de correria, quer chegar à janeiro 19 sem nenhum capítulo em atraso. Um matadouro querendo ser obra e um prefeito querendo não ter problema! Onde vai parar uma desgraça dessa? O que é que eu tenho a ver com o desentendimento do prefeito Marcelão com o matadouro? A novelinha chegou ao mês dezembro de 2017 agora e o prefeito Marcelão já não pode fazer Festa para a COPA 2018, e até agora nada.

O término dessa novelinha acontecerá no dia que acontecer a inauguração desse Matadouro de Ipirá. Inaugurou! Acabou, imediatamente! Agora, o artista é o prefeito Marcelão, que foi grande divulgador da novelinha É de ROSCA pela FM.

Observação: essa novelinha é apenas uma brincadeira literária, que envolve o administrador e o matadouro e, sendo assim, qualquer semelhança é mera coincidência. Eles brincam com o povo e o povo brinca com eles

terça-feira, 3 de julho de 2018

É DE ROSCA (42)


É DE ROSCA. (42)
Estilo: ficção
Modelo: mexicano
Natureza: novelinha
Fase: Querendo imitar Malhação, que não acaba nunca, sempre criando uma fase nova, agora é a do prefeito Marcelão.
Capítulo 42 (mês de novembro 2017)(atraso de 8 meses) (um por mês)

A equipe de segurança do prefeito estava enfurecida na frente do Matadouro de Ipirá. Um celular tocou, o segurança botou o gato, que miava barbaridade, no chão e ficou sem saber se atendia o celular ou se matava o gato:

- Para de chiar, gato miserave, que tu perdeu e de hoje tu não passa. Alô! Quem fala?

- Aqui é o prefeito Marcelão! Suspenda a matança do gato, porque esse gato é pé frio, escolheu o México e os mexicanos se lascaram, então, deixa esse gato prá lá. Que venha a Bélgica! Vou fazer a maior festa do Brasil na vitória da nossa seleção, vou trazer para Ipirá toda a turma do arrocha, liderada por Aldair, o Play Boy do Arrocha, e vamos ter oitocentos bois para churrasco, que vai da porta lá de casa até a rua de Cima descendo para o Campo do Gado.

O gato escapou por um triz, depois que folgaram o laço, o gato escafedeu-se pela caatinga em direção a Pintadas, o medo era tanto que quando chegou ao Raspador já era uma onça. O Matadouro de Ipirá ficou preocupado quando viu tanto carro de boi na área e na estrada e pensou: “agora o bicho vai pegar, vou ter que telefonar urgente .”

- Alô, é do inferno? Cadê o presidente Satã? Foi para a Rússia! Quero falar com o primeiro-ministro Rabudo. É ele quem fala! Ótimo. Eu estou com um problemão, o prefeito Marcelão invocou de fazer um churrasco, para comemorar a vitoria da seleção contra a Bélgica, com oitocentos bois e vai matar essa boiada toda aqui no Matadouro de Ipirá, as carretas estão aqui na porta, e quando esse prefeito play boy invoca de fazer festa ele faz e eu não sei o que fazer – completou a ligação o Matadouro de Ipirá.

- Não é possível que uma coisa dessa aconteça! Há trinta anos foi feito um Congresso de Malígnos e ficou decidido que o Matadouro de Ipirá NUNCA funcionaria e essa proposta venceu de forma esmagadora, só teve dois votos contra, o de Capeta e o de Pé Redondo. Eu vou tomar minhas providências.

O prefeito Marcelão tava de boa: “que venha a Bélgica!” Seu celular tocou, ele atendeu: “alô!” e ouviu aquela voz rouca e grave: “PreFEito MarCElão! AqUI é o RaBUdo” Ao ouvir aquelas palavras, o prefeito Marcelão foi atacado por uma tremedeira e um calafrio que não queria passar, mas não perdeu a voz:

- Que é que é isso, doutor Rabudo? Eu ainda falto dois anos de mandato.

- Eu não vim te buscar agora, você ainda vai fazer muita istripulia na face da terra. Eu tenho um plano alto para tua vida, você vai ter uma subida meteórica, você vai para o Supremo Tribunal atuar ao lado de Gilmar Mendes; mas, vamos deixar o futuro e vamos tratar do que interessa realmente: até agora, você, prefeito Marcelão, não inaugurou uma obra sequer e invocou de inaugurar o Matadouro de Ipirá matando oitocentos bois. Isso quebra a ordem das coisas.

- Mas, seu doutor Rabudo! Eu só quero mais três mandatos de prefeito, para ser o melhor prefeito e o que mais teve mandato nessa terra.

- Prefeito Marcelão! Observe o que eu quero dizer: o Brasil tem pela frente a Bélgica, se passar pegará a França, se passar a final com a Inglaterra; observe e raciocine, se você inaugurar esse Matadouro de Ipirá abatendo oitocentos bois contra a Bélgica; e contra a França, serão quantos? A grana ta curta, oitocentos bois para churrasco agora e uma frigideira de calango para o próximo jogo não vai cair bem. Pense direito e faça a melhor comemoração – encerrou o Rabudo

Suspense: Veja que situação: A novelinha tá de correria, quer chegar à janeiro 19 sem nenhum capítulo em atraso. Um matadouro querendo ser obra e um prefeito querendo não ter problema! Onde vai parar uma desgraça dessa? O que é que eu tenho a ver com o desentendimento do prefeito Marcelão com o matadouro? A novelinha chegou ao mês novembro de 2017 agora e o prefeito Marcelão já está fazendo Festa para a COPA 2018, e até agora nada.

O término dessa novelinha acontecerá no dia que acontecer a inauguração desse Matadouro de Ipirá. Inaugurou! Acabou, imediatamente! Agora, o artista é o prefeito Marcelão, que foi grande divulgador da novelinha É de ROSCA pela FM.

Observação: essa novelinha é apenas uma brincadeira literária, que envolve o administrador e o matadouro e, sendo assim, qualquer semelhança é mera coincidência. Eles brincam com o povo e o povo brinca com eles

sexta-feira, 29 de junho de 2018

É DE ROSCA (41)


Estilo: ficção
Modelo: mexicano
Natureza: novelinha
Fase: Querendo imitar Malhação, que não acaba nunca, sempre criando uma fase nova, agora é a do prefeito Marcelão.
Capítulo 41 (mês de outubro 2017)(atraso de 6 meses) (um por mês)

O prefeito Marcelão estava emocionado com a vitória da seleção brasileira na fase classificatória e não deixou por menos: “Vou realizar a maior comemoração pela conquista do hexa que essa terra já viu!”

O jogo das Oitavas de Finais será contra o México, não era bem o que o prefeito Marcelão queria, porque sua preferência era ter pela frente (7a1), aquele famoso esquadrão alemão, mas, desde quando, eles ficaram com medo do troco e preferiram sair da copa, que venha o México.

- Sei não! Se fosse essa tale de (7a1) o Brasil ia espremer o mocotó – observou a secretária do lar do prefeito Marcelão.

- Eu respeito sua opinião, Ninha, minha secretaria do lar! Agora observe o que tem que ser observado, a seleção (7a1) ia sendo eliminada na segunda partida, escapou com um gol no último minuto, ficou dependendo de um só gol e da vitória contra a Coréia do Sul, não conseguiu, paciência, já foi tarde!  

- Prefeito Marcelão! Eu não sou entendedora desse negócio de chutá bola, mas que essa tale de (7a1) com o título de campeão era mais perigosa do que esse rebanho de rebutalho que vem pela frente.
  
- Ôh, Ninha, minha secretária do lar! Deixa eu te explicar: eu não vou desfazer da Alemanha de jeito nenhum; eu não vou dizer que esse time da Alemanha não serve nem para participar do campeonato ipiraense, isso não, de forma alguma; agora, esse futebol-totó jogado pela Alemanha não se classifica nem no campeonato de Totó, organizado no bar do Frogoió, lá atrás da Caboronga. Que venha los mexicanos, nosso primeiro megaevento será o cantor pop star Michael Jackson e pode espalhar por aí que, Michael Jackson vai estar em Ipirá se o Brasil vencer o México – falou entusiasticamente o prefeito Marcelão.

A secretaria do lar tomou aquele susto, sentiu uma tremura nas pernas, o suor tomou conta do corpo; na barriga, a triparia se enrolou pelo bucho. Não tinha jeito, tinha que perguntar e perguntou:

- Ô, seu prefeito Marcelão! Esse tale desse home qui V. Exa., acabou de mencionar, num já é defunto? Pelo que eu sei ele já pirulitou desse mundo já faz tempo, hoje, ele deve ta lá pelas banda do Céu, se um home desse, com tanto dinheiro, não tiver lá pelo Céu, eu já nem sei prá que serve tanto dinheiro.

O prefeito Marcelão fechou a cara, tirou qualquer vestígio de sorriso do rosto e foi dizendo:

- É verdade, ninguém nessa cidade acredita mais no que eu digo! VOCÊ, NINHA, minha secretária do lar, não disse nada quando a macacada trouxe aquela banda Canários do Reino falsificada para tocar o São João. Não era nem uma xérox, era uma banda do Paraguai; uma banda genérica da pior qualidade; uma banda peba, uma trapaça para embromar todo o povo de Ipirá. VOCÊ, morando aqui em minha casa, não disse nada, agora, o prefeito Marcelão é que não pode ter uma ideia boa para trazer turista para essa terra, que já vem todo mundo sentando a ripa, até dentro da minha casa. Vamos deixar de conversa e vamos ao que interessa, traga o gato para ele apontar quem vai vencer, se é Brasil ou México e, aproveitando a viagem traga também aquele redém de novilha abatida em Feira de Santana, que só você sabe fazer.

O escudo do Brasil em um lado, o escudo do México do outro e o gato no meio. “Quem vai vencer?” perguntou o prefeito Marcelão, o gato olhou para o escudo do México. “Meu gato, mais lindo desse mundo, quem vai vencer? Indagou o prefeito, o gato colocou a pata no distintivo mexicano. “Gato miserável, filho de uma jumenta com burro, quem vai vencer? O gato colocou duas patas no México. “Ôh, sua desgraça, diga logo quem vai vencer, ou você vai vê o espeto em que você vai entrar? O gato grunhiu, fez careta e saltou em cima do escudo mexicano. O prefeito Marcelão perdeu o juízo:

- Leva essa desgraça para o Matadouro de Ipirá e faz um bocado de churrasquinho de gato pra gente comer na vitória contra o México.

Dez carros baixaram no matadouro, os seguranças saltaram dispostos a cumprir a ordem do prefeito. O gato estava dentro de um saco e pendurado. Um segurança, com um porrete na mão, foi logo dizendo:

- A gente vai matar esse gato aí dentro.

- Aqui dentro, ninguém vai matar bicho nenhum – disse o Matadouro de Ipirá.

- Como? A gente vai matar esse gato e é aí dentro; quem manda aqui é o prefeito Marcelão e ele mandou e o gato vai morrer.

- Aqui dentro, nem Satanás saindo dos inferno mata um bicho aqui dentro. São mais de 25 anos sem matar um bicho e não é hoje que isso vai acontecer.

- Essa desgraça desse gato vai ser morto é aí dentro e vai sê é agora e não tem istrupico nenhum que impeça esse cabrunco ser morto aí dentro.

- Nesse Matadouro de Ipirá, ainda não nasceu um homem, seja ele abençoado por Deus ou que tenha parte com o diabo, que faça esse Matadouro de Ipirá funcionar, aqui nessa por.. (plim plim), não vai abater desgraça de gato, nem boi, nem vaca, nem o custipio do raio que o parta mata bicho aqui dentro.

Suspense: Veja que situação: A novelinha tá de correria, quer chegar à janeiro 19 sem nenhum capítulo em atraso. Um matadouro querendo ser obra e um prefeito querendo não ter problema! Onde vai parar uma desgraça dessa? O que é que eu tenho a ver com o desentendimento do prefeito Marcelão com o matadouro? A novelinha chegou ao mês outubro de 2017 agora e o prefeito Marcelão já está fazendo Festa para a COPA 2018, e até agora nada.

O término dessa novelinha acontecerá no dia que acontecer a inauguração desse Matadouro de Ipirá. Inaugurou! Acabou, imediatamente! Agora, o artista é o prefeito Marcelão, que foi grande divulgador da novelinha É de ROSCA pela FM.

Observação: essa novelinha é apenas uma brincadeira literária, que envolve o administrador e o matadouro e, sendo assim, qualquer semelhança é mera coincidência. Eles brincam com o povo e o povo brinca com eles

domingo, 24 de junho de 2018

SÃO JOÃO E COPA


Uma avalanche de gente da capital invadiu o interior. Na Praça da Inglaterra a tranqüilidade era absoluta e a rua da Bélgica estava em ‘ar de graça’, desfilando em campo. Pense num São João procurado! O de Ibicuí, ‘o que todos esperam o ano todo’. Não deu para contar nos dedos a quantidade de ‘ônibus de ida e volta’. Mais de uma centena de casas alugadas. Meu interesse era o ‘destino Ipirá’.

Na rua da Argentina, se encontrares uma jararaca no meio da rua, não pises no rabo da ‘marvada’, senta-lhe uma cacetada na cabeça para detonar os miolos. A Islândia, que não tem rua em Salvador, deu mole, escorregou na Nigéria e ressuscitou a Argentina. O Messi tem cara de ‘Messias arrependido’ e ‘só ele sabe o que está sofrendo’. Vamos ver o milagre da ressurreição, sem choro e sem lágrimas. São João não deixa de não ser um ‘Messias inveterado, santificado e milagreiro,’ que veio salvar o interior. Santo Antônio de Jesus, Amargosa e Irecê na lista dos mais procurados. Ipirá ta que ta fora da ‘listagem das + mais’.

A rua do Beco do Alemão, no bairro Campo Grande, depois do 7 a 1 não vai virar avenida nunca. O teste não era para cardíaco, mas um teste especial para futebol campeão. Segunda partida; um mata-mata. Último chute; ou sai, ou fica! Ficou. Quem fica assim, não fica de graça. E se sobrar para o México? Não será novidade. 7 a 1 ou Suécia nas oitavas para o Brasil. Ipirá não entra na Oitava Sinfonia nem a pau, mas o público mínimo lotou a Praça da Bandeira. Independente de prefeito ou grupo da politicagem local, esse público mínimo é garantido, mesmo que não seja encontrado ‘destino Ipirá’ na capital.

Chegando à Avenida Brasil e à mercê de uma bala perdida, tudo pode acontecer. A exclusividade da globalidade faz com que se pense de maneira que se quer que seja pensada. Quem levará o título de vedete da Copa? Não precisa bola, basta cabelo. Pelé virou ‘rei da bola’ depois de merecer. Costa Rica, Panamá, Peru e Cia formam uma Série C da Fifa. Ipirá não é uma Série D do São João, embora não tenha um local apropriado para o festejo e uma infraestrutura adequada.

Pela vontade do prefeito Marcelo Brandão seria o maior São João do Brasil. Pura vontade! A Alemanha cresceu no minuto final. A Argentina poderá dar a volta por cima. Ipirá fez um bom São João 2018 e poderá fazer um grande São João em 2019, bastando para tal, que o prefeito Marcelo Brandão acrescente à sua vontade uma pitada de opinião do povo de Ipirá.

Passando o São João, mesmo tendo realizado o melhor São João possível; terminando a Copa, mesmo carregando o caneco; restará as Eleições do Imprevisto de 2018, mesmo apelando para o imprevisível previsto Zé Ronaldo; por incrível que pareça, o prefeito de Ipirá é denunciado ao MPE e vai continuar  esquentando os neurônios.

O uso do VAR foi a coisa mais importante da copa. Em Ipirá, o VAR é empregado em corrida de cavalo, quando tem dois concorrentes, um chamado jacu e o outro macaco, é dado o VAR, quem chegar primeiro leva. Pode ser o fim da esperteza na política.

domingo, 17 de junho de 2018

SÃO JOÃO EM IPIRÁ


O que é que está acontecendo com o prefeito Marcelo Brandão? O homem vai ao CETEP; é vaiado. Citam seu nome na Fundal; a vaia come no centro. Na entrega da taça no Estádio Municipal bastou falar Marcelo; a vaia comeu no birro trinta, nem esperaram pelo Brandão. Oh, coitado!

Do jeito que vai a coisa, vamos chegar ao ponto do povo de Ipirá sentir o cheiro do prefeito e tome-lhe madeirada, ou melhor, vaia. Não sei se é o caso do prefeito baixar num terreiro e tomar um banho de folha! Tenho a impressão que ele deveria rezar uns trezentos ‘Pai Nosso’; ir ao culto para fazer um descarrego; bem como, tomar uma semana de passe. Se não resolver! Paciência; vai ter que engolir dois quilos de sal grosso.

Na verdade verdadeira, o prefeito está frito. Não tem apoio do governo federal, nem estadual.  Não chupa um pirulito vindo de fora e ainda insiste em dançar forró com Zé Ronaldo. Oh, cacetada no lombo! Tem mais; a agiotagem ficou com medo de bancar a festa, aí o dito-cujo tem que se virar com recurso próprio. Oh, coitado!

A jacuzada fica piando querendo um punhado de milho; o prefeito não é besta e já sabe: “agora é nenhuma; lá na frente, é só ciscar que vem tudo piando e tome-lhe farelo.” Esquece o prefeito que ‘traque de massa’ também dá chabú e que ele tem um abacaxi no colo. Dez milhões! Não sobra nem as espigas.

Não tem para onde correr. O prefeito está fazendo o que ele mais gosta: festa. Festa de São João. Não tem grana sobrando, aí fica buscando uma privatização meia-boca, querendo que terceiros banquem a estrutura para receber “só Deus sabe quando!”

De festa em festa o prefeito vai cavando a sua sepultura. É gasto sem retorno para os cofres públicos. É despesa com o bolso furado para a prefeitura. Vai acumulando dívida e desgaste. Vai colecionando um repertório de vaias. Mas, o São João de Ipirá será uma grande festa e com muita gente, embora...

Acontecendo na Praça da Bandeira, um lugar inconveniente e impróprio, mesmo com a prefeitura inovando no local para a Micareta, não teve a sensatez de inovar para o São João. Peca na infra-estrutura, porque a prefeitura, para economizar, não coloca sanitários químicos em quantidades suficientes e necessárias para atender à grande demanda que vai acontecer.

É mais do que necessário que o Ministério Público e o Conselho Tutelar cobrem e fiscalizem o Poder Municipal para que seja colocado uma quantidade de sanitários que atenda plenamente às necessidades das pessoas que vão participar do festejo. Ou essa coisa é feita a ‘Migué’, sem nenhum planejamento?

É ultrajante o que acontece sempre no São João de Ipirá, com crianças e adolescentes, em condição de vulnerabilidade, urinando na rua, em frente às casas e junto aos carros estacionados.

O Conselho Tutelar tem que agir com antecedência e no rigor da lei. Tem que haver segurança na via pública, pois o que se observa são adultos abusando sem a menor cerimônia e com toda inconveniência, porque o Poder Público não oferta condições dignas para as pessoas participarem das festas em Ipirá. Não vaiem São João, ele não merece.