domingo, 26 de fevereiro de 2017

É DE ROSCA. (26)

Estilo: ficção
Modelo: mexicano
Natureza: novelinha
Fase: Querendo imitar Malhação, que não acaba nunca, sempre criando uma fase nova, agora é a do prefeito Marcelão.
Capítulo: 26 (mês de julho 2016)(atraso de 7 meses) (um por mês)

Fazer caminhada em Ipirá é problema. Na Praça da Bandeira, no turno noturno, existe o perigo da pessoa ser atropelada por uma bicicleta. Na pista da estrada do Feijão o perigo aumenta, mas fazer o quê? Andar é preciso, morrer não é preciso.

Vamos que vamos para a pista. Ia eu em direção ao Rio do Peixe, pensando na novelinha: ”cinco meses de atraso em 2016 e dois meses em 2017. Como é que eu vou escrever esses capítulos?” Fiz a volta em frente ao Matadouro de Ipirá fazendo minha reverência com o maior respeito do mundo:

- Bom dia, seu matadouro!

- Bom dia, uma desgraça! – respondeu o matadouro.

Fui em frente, o Matadouro de Ipirá veio atrás, seguindo meus passos. Na rótula de Pintadas, descambei em direção ao fundo do Parque de Exposição, o calumbí que invade o acostamento da estrada de Pintadas arranhou o matadouro de forma visível e o distinto não foi atropelado porque não passou um único carro naquele instante.

E lá vamos nós, eu na frente e o matadouro atrás. Quando cheguei em frente ao conjunto residencial Flor da Chapada avistei um grande movimento no fundo da fábrica Paquetá, pensei: “deve ter acontecido um acidente com moto ou carro”

Continuei andando, sempre acompanhado pelo Matadouro de Ipirá, ao chegar mais próximo do fundo da fábrica, observei e chamou minha atenção a grande quantidade de capacete branco no local, pensei: “Capacete branco na área é o prefeito Marcelão trabalhando, vou saltar a cerca da fábrica para não atrapalhar o serviço do prefeito.” Só ouvi o grito:

- Ei, sujeito do Blog! Venha cá. Eu quero mostrar essa obra a você, para ser publicada no blog, eu vou asfaltar do cemitério velho até o Flor da Chapada, isso aqui vai ficar um espetáculo, melhor do que aquela obra que o ex-prefeito J (Jotinha) fez na entrada da cidade, porque lá ele fez com pressa e aqui eu vou fazer em quinze dias.

O Matadouro do Ipirá estava calado e ouvindo a conversa, entrou pelo meio e atropelando tudo e a todos foi dizendo:

- Prefeito Marcelão! Eu já estou retado com V. Exa., e agora eu me arreto bem mais ainda, por saber de sua própria boca, que este asfalto não vai encostar na maior obra de Ipirá, que sou eu.

- Ora, seu Matadouro de Ipirá! Eu é que já estou azuretado com você e sua sorte é que eu não estou aqui com minha marreta, senão você ia ver o que é bom prá tosse – disse o prefeito Marcelão de forma educada, mas com firmeza na voz.

- Ôpa, prefeito Marcelão! Deixe de onda com minha cara, não tire onda prá meu lado qui não dá certo; aqui é nenhuma, playboy! Aqui, não é aquele monstrengo da sinaleira que tomou marretada do 25 e acabou; eu sou o Matadouro de Ipirá, 25 anos nessa terra e nenhum prefeito do jacu e macaco teve a coragem, ou melhor, a ousadia, ou bem melhor ainda, o atrevimento de pisar no meu calo e não vai ser V. Exa. – disse o matadouro.

O prefeito Marcelão ficou espantado, mas não perdeu a postura, parou um instante, pensou: “Eu não estou dando atenção a jacu que votou em mim, imagine a matadouro feito por macaco, eleição já passou, agora sou eu o bom da boca.” Aquele matadouro merecia uma resposta à altura, o prefeito Marcelão respirou fundo e disse:

- Esse asfalto só vai até o Flor da Chapada você queira ou não e aquele calumbí que está invadindo a estrada de Pintadas tem que invadir mais ainda, que é para você não atazanar minha vida, e por último, você, seu Matadouro de Ipirá! Será inaugurado daqui a oito meses, ou eu não me chamo prefeito Marcelão, que trabalha com um capacete branco na cabeça e levo uma marreta no carro para tacar marretada em toda obra malamanhada que eu vê pela frente, principalmente se foi feita pelo ex-prefeito Dió.

Suspense: sobrou prá mim. O que é que eu tenho a ver com o desentendimento do prefeito Marcelão com o matadouro? Nada. Agora são oito capítulos mais nove atrasados, um total de dezessete capítulos totalizando 43 capítulos de marretada à torto e pela direita. Eu não agüento mais escrever esse troço. Será que tudo isso vai terminar em Chiclete e Pissirico. E o matadouro, nada!

O término dessa novelinha acontecerá no dia que acontecer a inauguração desse Matadouro de Ipirá. Inaugurou! Acabou, imediatamente. Agora, o artista é o prefeito Marcelão, que foi grande divulgador da novelinha É de ROSCA pela FM.


Observação: essa novelinha é apenas uma brincadeira literária, que envolve o administrador e o matadouro e, sendo assim, qualquer semelhança é mera coincidência. Eles brincam com o povo e o povo brinca com eles.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

IPIRÁ COM BLOCO NA AVENIDA

PROGRAMA DO DERROTADO. Meio ambiente
- Realização da campanhas de conscientização para preservação da fauna e da flora, estabelecendo meios para a proteção da mata da Caboronga e desestimulo à caça predatória.

Interação com órgãos de defesa do meio ambiente e entidades locais

Infra estrutura obras publicas desenvolvimento urbano e rural
- Ampliar o Plano Diretor da Cidade (sede), com previsão de áreas de expansão habitacional, comercial, industrial e da malha viária;

- Criação da Secretaria de Transportes para melhor atendimento dos serviços de transporte urbano, rural e intermunicipal;

- Definir prioridades de execução de obras, dentro de uma política que privilegie o aspecto social e estético, cujo cumprimento se processe a partir de um cronograma de prioridade de 4 anos;

- Organizar e preparar os setores técnicos da prefeitura, visando garantir o cumprimento racional das metas traçadas;

PROGRAMA DO VENCEDOR
Desenvolvimento Urbano – Estrutura que facilita a vida
A requalificação de praças e outras vias públicas terão prioridade, sempre buscando inovar para o embelezamento da cidade.

A Caboronga e toda estrada que lhe dá acesso, assim como o Monte Alto, serão objeto de requalificação com vistas ao lazer e ao turismo, o que vai aumentar as opções no município.

MINHA OPINIÃO – o bloco da Caboronga subindo a ladeira do Céu!

OPINIÃO DOS ALUNOS - “Buscar uma faculdade para nossa cidade; mais policiamento; uma boa Biblioteca; em geral, a cidade de Ipirá tem que sofrer uma verdadeira faxina.” Rosineide Araújo 1º. C

“Incentivar o aumento das firmas  para aumentar o mercado de trabalho e procurar investir na área da educação, sinalização, segurança e saúde.” Kamilla Lima 1º. A

“A cidade precisa de uma reforma política para alcançar o progresso. Estamos vivendo em um modelo político ultrapassado, no qual duas famílias tiram proveito da situação. O modo administrativo de ambos são iguais e tem grupos de pessoas que se envolvem no jogo político para sugar o dinheiro público. É preciso de um novo modelo político, no qual a cidade e as pessoas serão privilegiadas, através de novos recursos para o pleno desenvolvimento social.” Wivirson Flávio 3º. A

“A melhoria pra nossa cidade seria mais educação. Na área da saúde e do saneamento básico se houvesse uma melhora, já seria uma grande satisfação para o povo. Precisamos de alguém que saiba governar e pensar na sua população como ela é e como fazer para mudar. Precisamos de alguém que pense em toda a cidade, buscando ajuda a todos e principalmente os mais necessitados sem distinguir raça, cor ou grupo.” Adriane Maria Caetano 2º. B

“Na minha sugestão deveria incentivar a melhora do comércio, da economia e da segurança. Deveria ter mais áreas de lazer, lugares para as pessoas se divertirem nos finais de semana. Tem que surgir mais empregos e ter mais opção.O jovem aprendiz ser mais valorizado aqui, para que os jovens e adolescentes que precisam de trabalho; ter mais escolas do ensino médio e fundamental. Melhora na educação e saúde.” Thamires Pereira Almeida 1º. B

“Para desenvolver precisa mudar muitas coisas, como a saúde, falta muitos recursos; também, a educação. As ruas estão esburacadas e precisam de conserto; existe a falta de segurança; as praças e ruas não têm lixeira e precisam ser colocadas. A cidade precisa de várias reformas.” Rebeca Souza Nascimento 2º. B


“Para desenvolver minha cidade é necessário uma mudança na conjuntura política, acabar com a supremacia de dois grupos políticos, comandados, muitas vezes, por membros de uma mesma família. A política ipiraense se assemelha ao coronelismo, com características do voto de cabresto, a grande maioria da população vota apenas para benefício próprio, os candidatos visam do governo estadual e ‘favores’ para os seus. É necessário, primeiramente, uma nova concepção da população sobre a política; investir mais na saúde; buscar melhoras para a educação, através da contratação de funcionários mais competentes; atrair investimentos para a criação de empresas que gerarão empregos; é necessário valorizar o trabalho dos pequenos produtores rurais e buscar políticas para integrar o jovem da periferia, diminuindo a violência e o tráfico de drogas.” Raquel S. Gusmão 2º. B

domingo, 19 de fevereiro de 2017

TOME-LHE MARRETADA!

A cidade que tem dono. Esse é um dos pontos de concordância e afinidade entre administrações de jacus e macacos em Ipirá. Dono do dinheiro da prefeitura, das praças, da coisa pública, de tudo que convém. A cidade tem que ter um dono. Isso conforma o autoritarismo da personalidade na personalidade do autoritarismo.
Não querem nem saber de ouvir a população, nem ao menos, setores da sociedade com determinados interesses e demandas coletivas, nem mesmo os moradores dos logradouros em vista. A autoridade é quem sabe e quem pode. O que as autoridades fizeram e fazem com as praças em Ipirá parece brincadeira da juventude transviada que não mede conseqüências de seus atos.
A bola da vez para entrar na caçapa é a Praça do Mercado e de um jeito que a marretada vai derrubar até o Mercado de Arte. A gestão do prefeito Marcelo Brandão pretende transferir o estacionamento dos ônibus e vans que fazem as linhas dos povoados para a sede, do centro da cidade para o Centro de Abastecimento. A Praça do Mercado ficará para estacionamento, não mais de ônibus, mas de automóveis. Tudo isso, sem ouvir a opinião das pessoas; sempre do mesmo jeito que as administrações que passaram por essa terra.
A polêmica é necessária, até mesmo, para o autoritarismo achar que trilhou por um viés democrático e que é o dono da verdade. Só duas perguntas: É correto ou vale a pena desmobilizar ou esvaziar a movimentação das pessoas trazidas pelos ônibus e vans no centro comercial de Ipirá pela parte da manhã? A outra pergunta: É interessante adicionar um custo a mais na entrega de mercadorias a esses transportes? Vai ficar mais distante e com um tempo maior.
Faço essas indagações, tendo como fundamento o olhar do pessoal da China, radicado na região de Campinas-SP, que aqui esteve e observou com bastante perspicácia e acuidade, que o movimento comercial daqui, da cidade de Ipirá, acontece pela manhã e à tarde sofre um refluxo, um esvaziamento considerável, ao contrário de Campinas, que o comercio começa o movimento a partir das 10 h e esquenta durante a tarde. Cada realidade com suas características, mas a preocupação daqui não é para reacender o movimento que está adormecido.
Uma coisa é certa, no dia em que os motoristas dos ônibus, das vans e seus passageiros acharem que lá no Centro de Abastecimento é mais conveniente o estacionamento, eles o farão naquela área, como já acontece nas quartas-feiras.
A administração atual, do prefeito Marcelo Brandão, parece querer que a ninhada de pintos nasça sem precisar chocar os ovos, aí fica difícil. Observe o caso da biblioteca, o prefeito fechou a Biblioteca Pública Municipal Eugênio Gomes do CCEM, que utilizava uma estrutura própria, concebida para uma finalidade apropriada, construída com provisionamento de verbas carimbadas do Ministério da Educação e Cultura, numa ação deliberadamente de desvio de finalidade explícita, desde quando, foi alocado no lugar da biblioteca a Secretaria de Assistência Social. Eu fico pensando o seguinte: “se foi verba carimbada, o advogado Diomário Sá, filho de dona Maria Sá, detentora de uma homenagem no prédio da Secretaria de Educação, poderá dar uma marretada no prefeito Brandão maior do que a que o prefeito Marcelo deu na trincheira da avenida!”
E a biblioteca foi para o tal prédio moderno? Foi nada! A biblioteca foi para uma salinha na Praça da Bandeira. O tal prédio moderno é uma gema do ovo que ninguém sabe se vinga. Veja que barbaridade! A gestão fechou a biblioteca porque recebeu um projeto de uma biblioteca moderníssima para ser construída no meio da Praça São José e vai apresentar uma maquete monumental, como se a vida em maquete adquirisse dimensões concretas e tivesse o bulício da vida. Essa administração passou a ser devedora e para tal cobrança não haverá a mudez, que muitos gostariam que houvesse.

As decisões públicas deveriam passar pelo crivo da comunidade, pois trata-se de interesse social. Ninguém deve postular o título de ‘Salvador da Pátria Ipirá’ por um motivo muito simples, Ipirá, foi e será sempre uma construção coletiva, com ordenamento do poder público, para atender aos interesses e necessidades coletivas, mesmo para os que acham que não é bem assim.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

IPIRÁ DIANTE DE SÃO BENEDITO!

PROGRAMA QUE PERDEU --  Agricultura, Meio ambiente e seca
A agricultura e a pecuária têm papel fundamental na retomada econômica municipal e na busca da justiça social. A expansão da oferta de alimentos é requisito indispensável ao combate à miséria e para propiciar um aumento na geração de emprego e de renda. 

A articulação da proposta de desenvolvimento da agricultura para Ipirá decorrerá de:
- Manutenção da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio-ambiente com promoção de programas e projetos agrícolas básicos que visem ao desenvolvimento da Construção de Represas e Aguadas comunitárias associadas a abertura de poços (através da CERB governo estadual), como medida de combate à seca;

- Distribuição de alevinos para povoamento das represas;

- Estímulo à construção e aparelhamento de mini-agroindústrias comunitárias para beneficiamento da produção de mandioca;

- Estímulo à criação do Mercado do Produtor Rural para comercialização de produtos agropecuários de mini e pequenos produtores rurais;

- Estímulo à organização do Pequeno Produtor Rural através do associativismo e cooperativismo;

- Estimular o plantio de culturas forrageiras para silagem, com vista a alimentação de criações;

- Criação do Programa de Bio-diesel com o uso da mamona;
Extensão de rede elétrica para as comunidades rurais, através dos Programas do Governo Federal e Estadual;

- Implantação do Viveiro Municipal para  a distribuição de mudas, sementes e insumos;

- Melhoria da Malha Viária Rural com patrolamento, encascalhamento e manutenção periódica das estradas rurais;

- Eletrificação Rural  através de convênios com órgãos federais e estaduais, visando beneficiar o máximo de propriedades rurais;

- Agroindustrialização

- Estímulo à implantação de módulos de agroindústria para processamento industrial de diversos produtos agropecuários;

- Incentivo à diversificação da agricultura priorizando a fruticultura, considerando as condições locais de clima e tempo;

- Estabelecimento, nos convênios com órgãos técnicos que atuam na região EBDA, EMBRAPA e outros, de ampliação de programas de diversificação agropecuária;

- Estimular a construção de silos comunitários, visando a alimentação animal durante o período de seca.

PROGRAMA QUE VENCEU
Intensificaremos as gestões no sentido de minorar os problemas com habitação popular em nosso município. Implantaremos um projeto de Construção de Casas Populares, mais uma vez somando os nossos recursos àqueles buscado em outras esferas de poder,para que não haja solução de continuidade e sempre se possa abrigar uma família carente. O projeto será coordenado de maneira que possa a Secretaria de Desenvolvimento Social, conforme o seu cadastramento, entregar anualmente o número possível de casas, com recursos próprios, de modo que no final do governo seja alcançado um número considerável de casas. A busca de mais unidades do projeto Minha Casa Minha Vida do Governo Federal, será intensa.

Criaremos imediatamente uma bem estruturada Feira de Animais em Ipirá, assim como ponto de apoio dos “chapas”, para que os que vivem do trabalho com carga e descarga tenham mais tranqüilidade no trabalho diário.

A Prefeitura de Ipirá vai colocar à disposição da comunidade, já a partir dos primeiros dias do próximo governo, dois ônibus que farão linhas circulares na sede do município. Ficará estabelecido como pontos de chegada e de saída, o bairro 20 de Abril e o bairro Morro da Alegria. Circulando, os dois veículos, em rotas definidas de ida e volta, com saídas a cada 15 minutos após a chegada no ponto inicial, os recursos vão procurar atingir as principais artérias da cidade. Esse serviço cujo custo já foi por nós levantado será gratuito e a população certamente saberá cuidar bem do patrimônio que é seu. Os percursos vão atender, também, aos operários da Fábrica Paquetá. Queremos facilitar a sua vida para o trabalho e o lazer, em função das longas distâncias entre os bairros de Ipirá.

MINHA OPINIÃO – Êta, que o povo da 20 vai ficar de boa!

OPINIÃO DOS ALUNOS: “Melhorar o saneamento básico e melhorar a segurança.” Maurício Santiago Soares

“Colocar mais segurança na cidade para diminuir a malandragem; colocar semáforo nas Brs, pois assim irão diminuir os riscos de acidentes; não deixar os esgotos e o lixo a Céu aberto; terminar as obras que estão inacabáveis; fazer calçamento em alguns lugares da cidade e colocar iluminação onde for preciso.” Vanessa Souza Almeida 2º. D / MBM

“Para desenvolver precisa da algumas mudanças na segurança, na educação e na saúde, que precisa de melhoria para que tenha um bom atendimento. Que tenha mais viaturas para a segurança e para os jovens precisa de mais vagas nas escolas e, também, melhorias nas estradas rurais.” Patrícia Gomes Soares 2º. B

“Acabar com a politicagem de grupo da cidade, pois a população vota por amor ao grupo e não enxergando o melhor para o crescimento da cidade. O governante que, realmente, se preocupe com a cidade, para poder desenvolver vários projetos sócio-ambientais e cuidar de problemas como os esgotos a céu aberto, o lixão, ruas sem calçamentos, etc. Além de trazer mais empresas para a cidade, com o objetivo de gerar mais empregos para a população. O governante tem que ser honesto.” Milena da S. Oliveira 1º.A

“Deve haver um ensino correto e a conscientização das pessoas, pensando no próximo, focar na saúde, isso é o que se espera de um bom governo.” Vitória Gonçalves de Leão 1º. B

“Abrir  mais fábricas, dando mais oportunidades aos que precisam de empregos, abrindo novas oportunidades. Mexendo mais na saúde e na educação investindo mais. Assim teremos uma cidade melhor.” Mailson Santana Suzart 2º. D / MBM

“O município precisa de melhoria no transporte público; investimento no jovem, tanto como ensino, como na área de lazer; as áreas públicas como praças devem ser restauradas; esgotos e pistas devem ser cuidados e renovados; a saúde deve ser prioridade do governo.” Emanuelle Almeida Lima 2º. B

“Minha sugestão é que a cidade tenha mais empregos; melhoria no atendimento médico; melhor ensinamento e mais segurança, para que o cidadão de bem se sinta mais seguro. Que o prefeito visualize essas evidências e melhore a cidade de Ipirá.” Lucas Moreira Oliveira 2º. Ano MBM

Aumentando os Postos de Saúde que é um pouco precário, assim, resolvendo essas coisas, minha cidade iria dar um bom salto para o progresso.” Diogo Silva Serra 3º. A


“Abrir mais fábricas; lojas e mais comércio, assim, abrindo novas oportunidades de empregos. Investir mais na saúde, na educação, fazendo com que no futuro teremos algo melhor para as pessoas do bem e assim, teremos uma cidade melhor.” Jeane Erika Reis de Souza 2o. D / MBM

domingo, 12 de fevereiro de 2017

O PREFEITO EXPLICA, MAS NÃO JUSTIFICA

O prefeito do município de Ipirá Marcelo Brandão concedeu entrevista ao site Bahia Notícias explicando a atitude do governo municipal em fechar a Biblioteca Eugênio Gomes no Centro Cultural Elofilo Marques. Muito bem! conseguiu explicar, mas não consegue justificar.
A biblioteca está fechada, grampeada, lacrada no CCEM. Acabou! Na informação do prefeito, a biblioteca será deslocada, transferida para um espaço na Praça da Bandeira, no mesmo espaço onde funcionava anteriormente. Um grande passo atrás. O local é estupidamente pequeno, apertado, inconveniente e impraticável. Simplesmente, será um depósito de livros; um ordinário depósito de livros.
Inclusive, é bom salientar, que não haverá espaço suficiente para a quantidade de livros, desde quando, aproveito este momento para ratificar minha última postagem, diante de uma solicitação expressiva de livros, a Biblioteca Eugênio Gomes recebeu 1.200 livros e não dez mil, que estão à espera de uma pessoa qualificada em informática para sanar o problema do vírus no disquete. Vamos observar quanto tempo a prefeitura levará para resolver esse problema.
Está escrito na entrevista ao Bahia Notícias: “De acordo com o prefeito Marcelo Brandão (DEM), a ideia é transferir a biblioteca pública Eugênio Gomes para um local maior em outra praça da cidade, a São José. A previsão é que o projeto seja apresentado em 15 dias, com as obras iniciadas um mês depois.” Uma pergunta bem simples: Se o projeto vai a todo vapor por que não deixou a biblioteca funcionando no CCEM para transferi-la para a coisa melhor na época certa? A biblioteca foi para uma coisa pior. Vamos supor que por pouco tempo.
A extrema urgência foi para a acomodação da Secretaria de Assistência Social no prédio. Quem tem que sair? A coisa mais inútil. Sobrou para a biblioteca.
Voltando à entrevista do prefeito Marcelo Brandão ao site: “A prefeitura quer uma coisa melhor, e a biblioteca estava praticamente fechada, com livros velhos e obsoletos”, “argumentou o prefeito ao Bahia Notícias.”
Embananou tudo. A Secretaria de Assistência Social foi para o prédio da cultura. Agora, assistência social virou cultura em Ipirá. Vamos pensar mais um pouco! Como toda administração jacu e macaco não tem nada de transparência e o povo fica por fora de tudo, vamos imaginar que o CCEM tenha sido feito com recurso da educação ou da cultura, será que pode uma Secretaria de Assistência Social funcionar nesse prédio? Eu imagino isso, porque o prédio da Secretaria de Educação foi obrigado a virar Coordenadoria, porque foi dinheiro do FUNDEB. Se foi com recursos próprios todo tipo de bandalheira será de boa aceitação.
Entrevista no site BN: “Conforme Brandão, as atividades culturais prosseguem mesmo com a instalação há poucos dias da pasta de assistência social no mesmo espaço. Continua funcionando normal”, “disse.”
O Centro Cultural Elofilo Marques ganhou uma nova finalidade, o assistencialismo. É a fila mais ostensiva de Ipirá. Esse ‘funcionando normal’ é uma evasiva. A cultura perde espaço e vai definhar nesta briga por espaço, tempo, autonomia e apresentação, diante do assistencialismo que é o cordão umbilical da politicagem jacu/macaco. O assistencialismo tem como norte a dependência aos setores dominantes; a cultura estabelece um vôo mais libertário. A intenção é varrer a cultura do local.
Ainda na entrevista, o prefeito disse: “Um projeto, que deve ser apresentado em 2018, visa transferir o Elofilo Marques para uma espécie de centro de convenções da cidade às margens da BA-052, ao lado da prefeitura. Segundo o gestor, o lugar será espaço para manifestações culturais assim como eventos oficiais, como formaturas.”
“Projeto para 2018”, para ser concluído ninguém sabe quando, nem se terá recursos para tal e já começa dilapidando o que se tem. É esse Ipirá complicado. Percebe-se que a municipalidade não tem terrenos no entorno da cidade; se precisar de um palmo de terra tem que comprar, não tem raça para desapropriar em benefício comunitário, aí fica esse desvario em construir nas praças existentes.
Ontem foi a Praça Santana, acabou e virou quatro ruas. Agora é a vez da Praça São José, com um prédio bem no centro para acabar com a praça, enquanto a Praça Barão do Rio Branco fica com uma quadra de esporte, totalmente velha, obsoleta, carcomida, mal aparelhada, servindo de símbolo da inadequação ao esporte e como troféu das débeis administrações dos jacus e macacos que não buscam uma solução criativa para aquele  pardieiro.
Ainda na entrevista: “Em relação às críticas de uso impróprio do centro cultural que passou a dividir as dependências com uma secretaria, o prefeito afirmou que o objetivo é parar uma suposta “farra de aluguéis” feita pela administração passada.”
Como? “Uma suposta farra de aluguéis”? Sem dúvida, a população ipiraense e o contribuinte gostariam muito de saber como é que ocorre esse fenômeno com o dinheiro público em Ipirá.

Prefeito, Marcelo Brandão! Se esse foi o motivo principal, destrinche esse troço para a população ficar sabendo, o que não pode e não deve acontecer é a cultura pagar o pato e sofrer todas as conseqüências, porque para o bom entendimento das pessoas a Biblioteca Eugênio Gomes não pagava nenhum aluguel, isso era lá, um problema da Assistência Social.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

IPIRÁ NA GANGORRA

PROGRAMA PERDEDOR
23 – Realização de diagnóstico pelo Conselho de Habitação, visando subsidiar as ações voltadas para a melhoria da qualidade de habitação dos munícipes (zona rural e sede);

24 – Continuidade na busca por novas Unidades dos Programas Minha Casa Minha Vida sede e Minha Casa Minha Vida rural;

25 – Continuidade no Plano de Saneamento Básico;

26 -  Continuidade na construção de banheiros e fossas sépticas;

27 – Continuidade no processo de regulação fundiária e doação de lotes de terras;

28 – Continuidade do Programa de Melhorias Habitacionais na Sede e Zona Rural;

29 – Execução de Projetos Técnicos Sociais, nos Empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida (Parque dos Coqueiros, Parque do Mirante, Flor da Chapada I e II e Parque das Acácias) de maneira a promover a organização, fortalecimento e gestão dos moradores, dos seus residenciais;

30 – Continuidade do processo para qualificação da acessibilidade e mobilidade urbana com destaque para a satisfação das demandas das pessoas com deficiência;

31 – Construção da Sede Própria da Secretaria Municipal de Assistência Social;

32 – Garantia de continuidade dos Programas de Assistência Social já existentes;

33 – Continuidade nas ações em busca da consolidação plena do Sistema Único de Assistência Social no Município, em todas as suas vertentes.

34 – Manutenção da oferta de orientação jurídica à população.

PROGRAMA VENCEDOR
Será responsabilidade dessa Secretaria a limpeza pública. O atual sistema será ampliado, com a inclusão da coleta de entulho e a erradicação do mato nos terrenos inabitados na periferia da cidade. Quanto à coleta de lixo na sede do município, deverão ser implantados depósitos de coleta seletiva, para recolhimento em horários pré-estabelecidos. Nas zonas urbanas do interior do município, a limpeza pública estará a cargo da empresa que for contratada para a limpeza na sede, devendo os prepostos em cada localidade cumprir horários e regras, inclusive fardamento, estabelecido no contrato.

A iluminação pública deverá ser ampliada. O serviço será terceirizado e nenhum ponto de zonas urbanas ficará no escuro. Estabeleceremos que serão instalados postes altos e com lâmpadas de grande potência, com o apoio que será buscado junto. Paralelo a esse projeto vem a valorização da polícia, com intensificação de rondas e a criação da Guarda Municipal, trinada e armada.

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano vai englobar a divisão de parques, quadras e praças, que será responsável pela urbanização e conservação de praças em toda zona urbana do município, com a atribuição de instalar ao longo do governo em todas as localidades do interior um Módulo de Lazer, que serão construídos de uma quadra poliesportiva e um parque de diversões, o que dará opção de entretenimento ao cidadão. Os Módulos de Lazer, como serão conhecidos, também serão instalados em bairros da sede do município. Será construído o Parque da Cidade, com pistas de corrida, praça de malhação, quiosques com produtos naturais e saudáveis, área de lazer e parque infantil, para garantir o lazer e malhação com tranqüilidade.

MINHA OPINIÃO – Nossa Senhora Santana, olhai para esta terra!

OPINIÃO DOS ALUNOS:“Acabar com o fanatismo político. Organização política e estrutural. Trazer empresas de grande porte para que haja uma maior circulação de dinheiro no comércio e disponibilizar, a partir daí, mais empregos. Construir espaços de cultura e lazer. Organização na pavimentação nas ruas da cidade.” Celso dos Santos Gonçalves 2º. B

“Os governantes parar de pensar em se benefícios próprios e do grupo. Trazer mais fábrica para a cidade, assim gerando mais emprego  para a população, sendo assim, todos sairiam ganhando, porque ganhava aqui, gastava aqui e o dinheiro corria no comércio de nossa cidade.” Fabrício dos Santos 2º. Ano / MBM

“Minha sugestão é que o político tem que ser honesto para melhorar toda a cidade, reivindicando uma fábrica para gerar emprego; gerando cursos públicos e faculdades para todos os jovens; trazer mais atendimentos médicos com segurança.” Bruna Alves 1º.B

“O prefeito tem que ser honesto e respeitar a opinião do povo e as coloque em prática. Cuidando da cidade e da iluminação pública.” Elivelton da Silva Santos 1º. A

“Honestidade; vontade de mudança; geração de empregos; segurança; projetos sociais; valorização do esporte e da cultura e valer a democracia.” Filipe Oliveira da Silva 1º. B

“A situação de nossa cidade é devastadora, ruas extremamente esburacadas, praças abandonadas, com árvores e plantas mortas, sem lixeiras, todas quebradas; sem atendimento específico na clínica hospitalar, sem médicos especializados nas doenças que aparecem; com uma segurança péssima nas ruas; as estradas,também, muito esburacadas; sem suas tradicionais festas; para não deixar de falar da péssima educação.” Thaine Bastos 1º. A

“É preciso gestores que se comprometa com a população e não com si mesmo. Que busque e traga melhorias, como: geração de emprego, faculdade e atenda as necessidades básicas, saúde, educação, segurança e saneamento básico, que são os primeiros e principais atitudes para um bom desenvolvimento. Crescimento econômico e do comércio fazendo com que a cidade possa ser valorizada e respeitada pelos habitantes e turistas. Precisamos de compromisso, competência e principalmente mudanças para que a cidade possa crescer e se desenvolver.” Brena Azevedo Santos 1º. B

“Para que minha cidade desenvolva e que traga indústrias, para que o jovem possa trabalhar, para que reduza as drogas e os roubos. Cursos, faculdades e universidade. A cidade possa se desenvolver de forma que não interfira no meio ambiente e que o prefeito promova essa mudança.” Islana S. Lima 2º. ANO B / MBM

“A nossa pequena cidade precisa de ajuda e para se desenvolver precisa de novas fábricas para gerar empregos, com o emprego o comércio vai crescer com certeza e com o crescimento  do comércio vai gerar mais emprego e com certeza, ira ajudar no desenvolvimento . Precisamos de mais profissionais, como médicos, professores, policiais e que sejam bem pagos pelo quefaz e assim deveremos desenvolver.” Venilson N. 2º. B / MBM

“Construir mais fábricas; melhorar o saneamento básico; pavimentar ruas; ter mais iluminação, infraestrutura; ter mais policiamento na cidade,; melhorar a saúde e mais projetos. “ Wanderson 2º. Ano

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

IPIRÁ NA RODA GIGANTE

PROGRAMA QUE FOI DERROTADO:
- operacionalização definitiva do matadouro público municipal, recém construído;

- modernização e disciplina da coleta de lixo, com incentivo à implantação de Núcleo de Reciclagem do Lixo, através de cooperativas do lixo na cidade.

Ampliação da rede de esgoto em parceria com os órgãos estaduais e federais.
- ampliação, também em parceria, de todo o sistema de água do município na sede e nos distritos e povoados;

- desenvolvimento de programas, em conjunto com a secretaria da educação, com ações específicas de caráter educativo, em relação à conservação do meio ambiente, objetivando criar o hábito do não sujar;

- construção, em convênio com órgãos federais e estaduais, de fossas sanitárias rurais e controle de qualidade da água potável e dos alimentos.

PROGRAMA QUE FOI VENCEDOR:
Um grande salto no desenvolvimento urbano de Ipirá, é o asfaltamento de ruas. Iniciamos um estudo de custos e fontes de receita que irão viabilizar a chegada do asfalto nas principais ruas e avenidas centrais da cidade, o que facilitará o trânsito de veículos e deixará a cidade mais bonita. Tal medida será precedida da reformulação do trânsito, com acompanhamento de profissional habilitado

As zonas urbanas no interior do município, também da alçada dessa Secretaria serão objetos de uma extensão do programa Viver Bem, sendo previamente apresentada uma escala de realizações de obras de pavimentação e urbanização com prioridade para as localidades de Ipirazinho, Umburanas, Rio do Peixe, Alto Alegre, Rosário, Santa Rita, Vida Nova, assim como ampliações em outras áreas já atendidas no passado. Vale ressaltar que será incluído no orçamento do município a realização mensal e gradual de pavimentação de ruas, dentro dos critérios técnicos.

MINHA OPINIÃO:  Ipirá vai que vai ...

OPINIÃO DOS ALUNOS:  “Uma reforma na política, tendo mais pessoas a se candidatarem para ter um mandato limpo, com verbas diretamente direcionadas para a saúde, educação, lazer e não para manter mordomias dos vitoriosos. Mesmo eu não sendo ipiraense reconheço que Ipirá é uma bela cidade, cheia de encantos, que tem a necessidade de melhorar.” Gabriel Gomes Zagotto 3º. A

“Para que minha cidade desenvolva e chegue ao progresso, em primeiro lugar, tem que ter um prefeito que saiba administrar a cidade, ele precisa melhorar o hospital, providenciar uma saúde melhor; mais oportunidades para os jovens; uma educação de qualidade; se preocupar mais com a manutenção da cidade e com o lazer. Se ele não fizer isso, nós, na condição de cidadãos, poderemos protestar e correr atrás do que queremos, pois para que nossa cidade chegue ao progresso, precisamos ir atrás.” Maria Emília Mercês Batista 3º. A

“No meu ponto de vista a cidade pode melhorar em várias coisas, na parte comercial; na coleta de lixo, pois a população deve conservar a lixeiras coletoras nas ruas. Pode ter um governo melhor para que as coisas venham melhorar.”  Lara Santos Soares 1º. Ano B

“Acho que não devemos olhar pelos grupos e sim olhar para uma forma que transforme a nossa cidade, sem paixões de grupo. Queremos uma cidade com melhorias, escolas de qualidades; hospitais com bom atendimento; mantendo as verbas para onde são prioridade, não sendo desviada e sim, sendo aplicadas em benefícios da população. Dessa forma a sociedade se desenvolve e chega a um progresso no qual terá melhorias na vida das pessoas que aqui vivem.” Karine Aragão 3º. A

“Que invistam no que realmente é importante: saúde, educação e segurança. E não deixem de pagar o  funcionalismo em dia.” Clarissa Silva Sampaio 1º. B

“Mais médicos para o município e mais fábricas para gerar empregos.” Stefanny Barbosa 1º. A

“Colocar pessoas competentes para administrar a cidade.” André Sampaio Moura 1º. B

“Mais segurança, com policiais preparados na cidade. Melhor educação com mais escolas e colégios públicos. Uma Universidade Pública com diversos cursos e professores. Mais saneamento básico e ruas calçadas.” Thifany Esther 1º. A

“Mais projetos para saúde, mais emprego para os jovens, saneamento básico e muito mais coisa. Ouvir mais o povo e saber o que eles precisam, levando mais a sério a nossa cidade , isso é fundamental.” Gabriela Rios 1º. B

“A minha sugestão é ter mais saúde, mais policiamento, mais educação, mais lojas e mais emprego/trabalho para os jovens, sem esquecer, de mais respeito entre as pessoas.” Kathilyn Ribeiro Gomes 1º. A

“Um bom governante, pois quando o governo é bom desenvolve a cultura, saúde, sociedade e o trabalho. Quando se tem um bom prefeito a cidade acaba crescendo e gera mais renda e melhora a economia da cidade. Outra sugestão é o respeito. Se cada um souber respeitar o outro, a cidade desenvolve com união e respeito.” Celine dos Santos Gonçalves 1º. B


“Deveria ter mais emprego na nossa cidade para os jovens, que estão à procura de emprego; ajudar a abrir mais lojas, para os jovens ter trabalho. Deveria ser uma cidade mais estruturada, ter mais fonte de renda, ter mais fabricas para empregar as pessoas.” Thiele Barradas Nascimento 2º. Ano / MBM

domingo, 5 de fevereiro de 2017

PREFEITO FECHA BIBLIOTECA

O prefeito Marcelo Brandão pisou na bola e feio. Fechou a Biblioteca Eugênio Gomes. Como? Fechou, sim. Por que? Só ele sabe. Para que? O que se sabe é que de uma marretada só ele fechou a biblioteca, o arquivo e o auditório. Pasmem! No local, Centro Cultural Elofilo Marques irá funcionar a Secretaria de Assistência Social.

O prefeito Marcelo Brandão atinge a cultura com um golpe certeiro, bem na jugular. Podem vir com desculpas: “Ah! É temporário; é por pouco tempo; vamos construir um prédio moderno; etc e tal.” Desculpas esfarrapadas para questionamentos explícitos: Qual é a indicação com precisão que determina a concretização desse prédio? Não tem nenhuma garantia. Isso poderá demorar até os quatro anos do mandato e não sair do papel. Quem não se lembra do terreno comprado para a universidade? Esse é só um exemplo, entre muitos.

O prefeito Marcelo Brandão deixa o certo pelo duvidoso. Desestabiliza e subtrai espaços que já existem, de forma concreta, viva e propulsora, que refletem, de certa maneira e em certo grau, a ação cultural da comunidade em troca do nada, neste instante, e cria uma incógnita para um futuro próximo duvidoso, desde quando nem ele próprio tem certeza de nada e não pode empenhar a sua palavra sem algo palpável. Ipirá tem outras prioridades para serem atendidas. O Centro Elofilo Marques cobria satisfatoriamente essa área cultural.

O prefeito Marcelo Brandão não enxerga dessa forma e acha que Ipirá tem necessidade de um Centro de Convenções e uma Biblioteca em novas instalações, criando assim uma nova prioridade, que já estava suficientemente atendida. Onde pretende construir esse prédio? No centro da Praça São José. Outro problema: vai acabar mais uma praça, dividi-la em dois largos, (como o Largo 13 de Maio), para construir um prédio grande, magnífico, esplêndido, soberbo e cheio de ostentação. Esse filme já conhecemos. Valeu à pena acabar com a Praça Santana para fazer aquele mondrongo do INSS? Aquilo poderia ter sido feito em outras adjacências. Meu caro leitor deste blog, tenha um pouco de calma, porque eu vou tomar dois litros de garapa para suportar tanta baboseira.

Ipirá não vai dar um passo adiante, um só passo, enquanto o administrador que entrar ficar preso e limitado a desfazer o que o outro fez, por necessidade ou por ranço. Ipirá tem cinquenta obras de administrações jacu e macaco que não servem para nada, foi muito dinheiro público jogado na lata de lixo, um verdadeiro descalabro. Nestas obras, consta o PALCO feito em cima do Centro Cultural Elofilo Marques, o que precisamos entender é que, não é o C.E.M que está condenado, mas aquela geringonça da pior qualidade que é o PALCO, um troço inútil, feito sem planejamento, sem técnica, sem bom senso, obsoleto, uma ilustre porcaria, fruto e símbolo da ineficiência administrativa, mas isso cabe ao PALCO, não ao conjunto, à totalidade do Centro Cultural Elofilo Marques, que atende a contento, neste momento, o que lá está estabelecido. Por que desestabilizar a Biblioteca Eugênio Gomes se não tem outro lugar para colocá-la?

Temos que levar em consideração que a Biblioteca Eugênio Gomes está em pleno desenvolvimento, estabeleceu vínculos de parceria com a Fundação Pedro Calmon e com a Biblioteca Nacional, isso significa um avanço sem precedentes. Recentemente, recebeu dez mil livros, que ainda não foram catalogados, porque um disco rígido, que libera o processo, foi infectado por um vírus e a prefeitura, ainda, não designou um especialista para eliminá-lo. A coisa é simples, é isso que tem que ser feito, dar consistência e continuidade aos serviços que a comunidade necessita.

O que é preciso é ampliar e fortalecer o encontro com a comunidade ipiraense. Que tal alargar e espalhar o braço da Biblioteca Eugênio Gomes? Encher um ônibus amarelinho de livros, solicitar apoio dos grandes contadores e leitores de estórias nesta cidade (Puluca Pires, Pedro Sena, Lília Simões e outros) e deixar um livro infantil nas mãos de uma criança; um romance nas mãos de um adulto trabalhador; um livro de História e outras ciências com os jovens; livros para as pessoas tocarem com as mãos para conhecer pelo tato; sentirem o formato, tocando com delicadeza e brandamente; procurando sondar para compreender significados; livros para saciar a fome de saber. Depois de trinta dias, uma nova visita ao bairro, reconfirmará aquele empréstimo ou estabelecerá o empréstimo de um novo livro. E assim, o conhecimento vai chegando ao alcance de toda a comunidade.

É necessário que se premie os jovens que mantenham uma freqüência assídua à Biblioteca Eugênio Gomes; os jovens que apresentem resumos ou a sua visão sobre os clássicos da literatura e assim por diante, por exemplo e etc e tal. Agora, prefeito Marcelo Brandão! Eu vou te dizer uma coisa, até mesmo por consideração, e por muita consideração vou tratá-lo como você; prefeito Marcelo Brandão, você deve pensar mais pouco, com muita reflexão, e voltar atrás, não é nada demais; é até uma atitude de muita grandeza da sua pessoa: não feche a Biblioteca Eugênio Gomes nem por um dia.

Nós, ipiraenses, estamos sentindo e demonstramos a nossa indignação com a negligência e abusos autoritários de diversos gestores que governaram esse município. Esse PALCO é um dissabor muito grande para a nossa comunidade. Nossa gente não merece um entulho dessa ordem e eu sei e você sabe que isso é fruto de uma administração desastrosa e malamanhada que governou Ipirá recentemente.


É bom que toda comunidade reflita sobre essas coisas. Até mesmo porque, se V. EXA., prefeito Marcelo Brandão, tomar e manter a atitude de fecha a Biblioteca Eugênio Gomes, por um dia sequer, V. EXA. estará tomando uma atitude despropositada, sem sentido e conseguindo, neste inicio de gestão, ficar num patamar bem abaixo de uma administração nefasta e desqualificada que conseguiu fazer um palco sem nenhuma serventia. E justamente num instante em que V. EXA., aplica um Choque de Gestão, a comunidade ipiraense não pode sentir um choque de indigestão, porque não tem garapa que resolva este problema.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

IPIRÁ VIROU PÓLO TURÍSTICO!

PROJETO DERROTADO NAS URNAS: desenvolvimento econômico, industria, comércio  e turismo.
Implantação do Programa de Crédito Popular para pequenos negócios, em parceria com o BNB (Cred-Amigo);

Viabilizar junto ao SEBRAE informações e orientações dos procedimentos técnicos necessários para implantação de pequenos negócios no município;

Apoiar campanhas de marketing do comércio e indústria locais, que visem atingir a demanda da clientela regional.

Planos para a geração de emprego e renda
- atrair novas indústrias, empresas e fábricas para o município; criar um centro industrial que possa comportar adequadamente os galpões de artefatos de couro para a produção e comércio de carteiras e etc; compra dos materiais de uso e consumo da prefeitura na cidade, valorizando o comércio de Ipirá; criar o projeto primeiro emprego para o jovem; reciclagem profissional para quem está desempregada; apoio e incentivo à produção artesanal dos distritos e da sede.

Ampliação e dinamização das festas populares;

Desencadear intensa campanha de atração do investimento externo de industrias (pequenas, médias e grandes), fornecendo subsídio diversos, como já dito, e apresentando as inúmeras vantagens que o município oferece, tais como, matérias-primas disponíveis, facilidade de mão-de-obra, áreas disponíveis, fácil e bom acesso rodoviário, proximidade da capital e localização estratégica em relação aos principais centros do interior e infra-estrutura de comunicação.

PROJETO VENCEDOR NAS URNAS:
Vamos planejar a divisão da Secretaria de Desenvolvimento em urbana e rural, dada a extensão do município de Ipirá, e por entendermos que a zona rural deve ter uma atenção toda especial no sentido de reduzir cada vez mais as suas carências.

É nossa intenção dotar da melhor estrutura possível todas as regiões do município, detectando os problemas e buscando soluções que sejam possíveis e atendam aos anseios da população. Para tanto reservaremos no orçamento municipal dotação específica para essa área de tamanha importância para que haja possibilidade de fazer investimentos com recursos próprios, mês a mês, além de buscarmos nas esferas federal e estadual e através de instituições financeiras recursos que se revertam em benefícios à população.

MINHA OPINIÃO – Êta, Ipirá que dá sorte!

OPINIÃO DOS ALUNOS –  “Para um progresso da cidade, o ensinamento é essencial. A educação é a chave para chegar-se ao progresso. O pensamento crítico é necessário para se atingir um certo estágio de desenvolvimento.” Luan Freitas 3º.A

“Mudar a forma de governar; melhorar as estradas; a educação; a segurança. Empregar o dinheiro da população em coisas que atenda à necessidade do povo e não jogue o dinheiro público no bolso dos amigos. E consiga trabalho para as pessoas que só quer ter uma chance de trabalhar. É bom acabar com essa pressão de jacu e macaco, pois só faz atrapalhar e atrasar o município.”  Welbert 1º. C

“A mudança tem que acontecer na prefeitura. O novo prefeito tem que asfaltar as ruas da cidade; trazer uma faculdade; melhorar e muito a educação do nosso município e a saúde, que nos últimos anos estão péssimos; trazer fábricas para gerar mais renda para nossa cidade e programas de aprendizagem para os jovens terem mais oportunidades no mercado de trabalho e deixarmos de perder nossos jovens para o mundo do crime.” Adenias Junior 1º. A

“Só temos de bom a educação, é bem desenvolvida, mesmo assim, falta  ética e mais respeito com os salários das pessoas envolvidas nela. A saúde é bem pior do que podemos imaginar, falta pessoas capacitadas e capazes de desenvolver um bom atendimento às pessoas de nossa cidade.” Jean Marcel Alves Souza 2º. A / MBM

“Um comprometimento maior da população e o fim da cultura de votar em grupos e não candidatos, onde se vota por influência da família.” Micaella do Carmo Santos 2º. A

“Investir na educação, saúde, saneamento básico e segurança. Trazer empresas para dá emprego a todos.” Cláudia Guimarães 2º. A / MBM

“Mais fábricas, empregos, educação, faculdade, segurança e, acima de tudo, mais Deus.” Lucas Almeida Soares 2º. A

“Na minha opinião seria bom consertar as ruas, as pistas, dá mais segurança pras pessoas, consertar as praças, melhorar a saúde, o atendimento nos hospitais. Seria bom, também, se aqui em Ipirá tivesse uma faculdade. Trazer mais oportunidades de emprego, para as pessoas trabalharem, porque os jovens precisam de uma oportunidade de emprego, porque aqui as vezes não tem, aí muitas pessoas tem que sair pra fora da cidade por falta de trabalho.” Lidiane Teixeira Nascimento 2º. A / MBM

“Que tenha maiores investimentos na saúde, educação e infraestrutura, com pagamentos de salário correto, com mudanças em questões de quem ocupa os cargos” Andressa Santana dos Santos 2º.A

“É que a cidade tenha um governo melhor, que mande limpar as ruas, melhorar os postos médicos, melhorar os asfaltos, ter mais desenvolvimento na cidade, trazer mais trabalho para a cidade, melhorar as ruas, os calçamentos, os esgotos, o centro de abastecimento.” Weleson Oliveira Silva 2º. Ano / MBM

“Em primeiro lugar, mudar a política do município, acabar com isso de jacu e macaco, essa seria a mudança mais importante e com isso, mais infraestrutura, emprego e oportunidades para os jovens.” Letícia Assis 2º. A


“A nossa cidade está precisando de muito cuidado, porque está largada de lado, porque prá todo o lado que a pessoa anda tem buraco em todas as ruas de Ipirá. Precisa melhorar na área de saúde, porque está péssima, quando a gente vai marcar um médico é uma maior dificuldade pra conseguir marcar. Tem que sair de casa quatro horas da manhã, pra poder marcar uma consulta.” Rosalina Gonçalves de Almeida Inácio 2º. A / MBM